produção sem agrotóxicos

  

"No quintal uma horta. Na feira a pequena produção familiar. No cerrado a vida in natura. No prato sabores e cores orgânicas."

 

A procura de encontros e reencontros, a produção sustentável tem um papel fundamental neste trabalho, é a partir dela que identificamos quais são as pessoas que falam sobre as suas produções de plantios,seja tradicionais, dentre as quais, se destacam a sabedoria popular, traduzidas pela oralidade, passadas de geração para geração,  ou mesmas contemporaneas, que também de certa forma se destacam em seus estudos, proporcionam um dialogo entre a sabedoria popular e discussão dos mecanismos técnicos oriundos da ciência, a observação e aplicação. 

 

Das andanças por feiras, cerrados, mercados, casas, quintais, quero destacar sempre o poder da memória através da oralidade, estes encontros de certa forma proporciona a mim um deslocamento das minhas vivências pessoais, construindo um lugar que sempre valorizo, um lugar que é meu, mas que também se mistura com o do outro. 

Falar dos quintais, das plantas como importante instrumento para a construção dos pratos é dizer também da importância que cada um representa em sua localidade, isto significa o olhar da "aldeia" do impar, do diferente, para entender a complexidade de como se come e como se produzi um prato.

 

O quintal por sua vez é uma cidade,  representada por suas diversas comidarias, ora tão comuns ora tão incomuns, o cerrado é  o encontro entre a terra e o céu, de onde não se pensa que cultiva nada, lá está ele cheio de generosidade, para quem dele deseja se nutrir.

 

As feiras e mercados resultados do que se plantou e que na sequencia chega ao prato de muitos, seja pelo prazer de se comer sem agrotóxico, seja pelo prazer do encontro de dizer como aquilo foi plantado e cultivado, as trocas acontencem e junto com elas, os banquetes, eles são sempre resultados de um dialogo e outro, troca de receitas e narrativas que são construídas continuamente sem intervalos para olho no olho e ouvidos abertos para a escuta, além de tudo isto, destacam-se cores vibrantes, pessoas que se dispõem a separar os alimentos por cores, cheiros, formas, é por lá que muitos se sustentam continuamente, o campo, a plantação é um ato importante para aqueles que têm o campo como fonte de trabalho, dele querem viver e dele querem tirar o seu sustento.  

 

A memória gusativa é construída a partir desta perspectiva, tudo se comunica, o leite que chega à mesa do banquete é o mesmo que foi tirado por um produtor, que tem em seu quintal as ervas que são temperos para os molhos.