comidaria de entrada

“Eu, entre dois corpos quentes me arranco em liberdade com a proteção de dois amores, um direito e outro esquerdo, faço banquetes”.  Dedico à memória de meus avôs.

 

Memória gustativa é um conceito para se discutir os alimentos a partir das narrativas e histórias das pessoas e dos lugares. 

 

Este blog é a tentativa de demonstrar alguns trabalhos que ao longo do tempo me dediquei, portanto, nele é possível identificar histórias, receitas tradicionais, receitas com releituras, receitas com criação e produção artística. É possivel também encontrar elementos culturais e sociais que fazem parte da minha história, exemplo, as produções orgânicas que ofereço como voz para os alimentos, e assim dando voz também às pessoas que as produzem. 

 

Um desejo é claro para mim, sempre penso a comida, o alimento como importante instrumento de aproximação e vivências de pessoas que se encontram e se emocionam ou se descobrem como importantes narradores de suas memórias gustativas.

 

Para também falar desta memória gustativa, ressalto que a cozinha é uma grande performance, da captura dos alimentos, dos encontros com as pessoas até o fazer: da intuição, da criação e do comer e saborear, deslocando cada um para algum lugar que remete à memória com suas respectivas histórias guardadas de onde vieram e para onde irão.

 

Portanto, o blog reúne questões que ao meu ver representam o mundo que desejo estar, por uma educação livre, uma produção sustentável, por alimentos que falam, por pessoas que narram e por banquetes onde todos possam experimentar, seja adulto, criança, idoso ou jovem, encontrando um prazer de comer e se deliciar na sua forma mais criativa e performática em que o humano constrói.  

 

O blog é organizado a partir de narrativas livres, fotografias, receitas, artigos sobre o assunto, noticias das várias atividades realizadas, educacão livre e outros. 

 

'Cozinhar, comer e beber' é o pretexto para o encontro; para deixar outras possibilidades de reencontros para futuros projetos que cada vez mais dariam autonomia ao pensamento e ao fazer do cozinhar, não somente como recurso econômico, mas, como forma de se colocar com autonomia no mundo.

 

O cozinhar é um ato de entender que cada um possui a sua memória e sua história diante do mundo. O foco central já não se trata de oferecer poder aos que mergulham na cozinha, mas sim de propor que todos são responsáveis pelo conhecimento e pelas trocas.

 

[...] o calor do fogo acende os sentidos do paladar, estimulando e provocando a troca com índios, com comunidades locais e com amigos das receitas que falam de um saber que se alimenta e protege a vida sem desperdício. 

 

 

Memória Gustativa é o que você sente na hora de comer!

 

simples e gostoso assim. E mais...

 

cozinha, memória, sabor, gosto, cores, orgia gastronômica

[do passado ao presente].